Qual a relação do reality show com a cirurgia bariátrica Sleeve ou gastrectomia vertical?

Por Dr Marcelino Nakamura, cirurgião bariátrico

O reality show do Dr. Nowzaradan que retrata a luta de pacientes com 272 Kg ou mais (classificados como super obesos), tem o mérito enfocar questões relacionadas ao cotidiano pouco discutidas nos consultórios médicos (como depressão, relacionamento familiar, vida afetiva, traumas de infância, dificuldades profissionais, bullying, entre outros), enfatizando o aspecto humano destas pessoas.

Naturalmente que sendo um programa com viés comercial e não científico, aborda pouco as doenças associadas (como problemas de coluna, artrose, hipertensão, diabetes, colesterol, esteatose hepática, etc.), muito menos entra em discussões como indicações, técnicas cirúrgicas e comparação de resultados.

A importância da aderência às recomendações médicas e da equipe multi disciplinar para a boa evolução são também ressaltadas no programa.

Convém observar que mesmo se tratando de um programa multimilionário que conta com suporte técnico de dezenas de profissionais das mais diversas áreas, casos de complicações fatais são registrados.

Um olhar mais criterioso permite constatar algumas mudanças interessantes no programa ao longo dos anos. Cirurgias com desvio intestinal  (duodenal Switch, Scopinaro e bypass), tidos no passado como mais efetivos para este grupo de pacientes, estão sendo gradativamente substituídas pela  Gastrectomia Vertical ou Sleeve nos programas mais recentes, espelhando  a evolução do conhecimento médico na área de cirurgia bariátrica. Publicações científicas recentes têm mostrado que o Sleeve é efetivo mesmo neste grupo de pacientes portadores de super obesidade.

Para portadores de obesidade grau II ou III o Sleeve já suplantou o bypass nos Estados Unidos há muitos anos, assim como vem sendo cada vez mais realizado no Brasil.